Organizações adotam tecnologias futuristas e economizam bilhões

Tecnologias que eram vistas como muito distantes da realidade, foram antecipadas pela pandemia e muda o jeito de trabalhar, pensar e interagir


Quem nasceu durante a década de 70 vai lembrar de um dos desenhos superfamosos que mostrava algumas das tecnologias que vivemos atualmente: os Jetsons. Vários foram os episódios em que mostravam uma empregada doméstica robotizada, um aspirador de pó automático e carros que voavam. A vida atual está chegando nessa realidade.





Uma das tecnologias que, há cerca de 10 anos - a videoconferência - só era acessível para empresas de grande porte. Hoje, as chamadas por vídeo podem ser feitas gratuitamente através do WhatsApp, Zoom Meetings, Google, entre outros e acabou virando commodities. A vídeo chamada hoje pode-se dizer, faz parte de 100% da vida das pessoas. Estejam elas trabalhando, ou falando com a família. Aproxima, melhora o diálogo, é inclusiva.


E não é só no comportamento e na forma. As vídeo chamadas também provaram que o mundo globalizado, está mesmo totalmente sem barreiras. Por exemplo: uma das últimas inovações do Zoom Meetings, foi a transcrição de vídeo para até 30 idiomas. Isso melhora o entendimento entre times distribuídos e diferentes entre si. Outro ponto, talvez o mais importante para as empresas, é o ganho financeiro que elas perceberam ao adotar a colaboração por vídeo através do home office: economias na casa dos 2 milhões de reais foram inseridos no caixa da empresa LafargeHolcim, multinacional suíça com a entrega do escritório no Rio de Janeiro. No Governo Federal, foi anunciada uma economia no valor de R$ 1,4 bilhões com o trabalho remoto. São cifras que, de qualquer jeito, convencem líderes e empresas a adotar o "work anywhere". Segundo levantamento da Fundação Instituto de Administração (FIA) das 139 empresas com quem abordou o tema, 94% afirmaram que atingiram ou superaram suas expectativas com esse modelo.


Por outro lado, a ocorrência da pandemia trouxe outro sintoma generalizado: o receio de contágios, a retomada de um possível lockdown. E, a volta ao escritório, está moldando novamente, o comportamento de colaboradores e empresas. Isso foi demonstrado num levantamento recente da Zoom, o qual indicou que 73% de colaboradores de empresas preocupados com aglomerações, toque e compartilhamento de equipamentos - dentre as 1.000 pessoas entrevistadas.


Para amenizar esse medo de que boa parte das pessoas ficaram mesmo ainda com o avanço da vacinação, o mercado poderá contar com mais inovações. "A Zoom está trazendo um novo conceito de trabalho, com soluções baseadas em software que fazem compartilhamento por proximidade (sem toque), recepcionista virtual onde os visitantes podem simplesmente apertar o botão "fale com a recepcionista" e instantaneamente serem conectados por vídeo, evitando mais uma vez, contato físico", comenta Paulo David, Diretor de Vendas e Estratégia da XP On Tecnologia. "As soluções são totalmente integradas. Por exemplo: a empresa pode fazer o agendamento de salas à distância. No escritório, o display demonstra a capacidade da sala e as reservas para por dia e horário, auxiliando no controle do número de pessoas circulando naquele dia", continua.


Isso sem contar com a Inteligência Artificial. Uma tecnologia que promete revolucionar - e já está fazendo isso - a interação entre pessoas e empresas. De acordo com uma pesquisa da Global AI Adotion Index 2021, 40% dos profissionais de TI no Brasil já utilizam a tecnologia em suas operações.


É a transformação digital do século XXI tomando conta do modelo de relacionamento profissional e pessoal, mudando a maneira com que as empresas e colaboradores se relacionam, transformando vidas.


Em novembro, a XP On lançou um guia para ajudar as empresas a obter soluções que auxiliam no cuidado com a saúde, no retorno aos escritórios. Mais informações sobre o guia e como retomar o trabalho presencial no pós pandemia aqui: https://www.xpon.com.br/ebook-trabalho-hibrido

26 visualizações0 comentário